Pular para o conteúdo principal

Postagens

Nada mais

Agarrar litros de água entre duas mãos cruas, este é o erro da pessoa que tenta prender tua energia vital para si. Vãos e torpes são os intentos de tomarem apenas para si a vivacidade que há em ti.   Não posso negar que um sorriso me brota no rosto quando vejo as pessoas seduzidas por seus traços, encantadas pelo teu caminhar, entorpecidas pelos teus olhares e dominadas por cada feitiço lançado ao mover de teus lábios.   Sob o encanto de observá-la, em tudo que exalava tua existência, desejei saciar minha sede em tuas nascentes. Então, tal qual alguns deuses benevolentes de outrora, decidiu me favorecer dentre os demais e tornar-me o mais sortudo dentre os mortais.   Porque foi de tua boca enrubecida que provei beijo mais doce que o mel, de tuas mãos minha pele provou o toque mais agradável que lençóis de mil fios, de tuas coxas minha boca se deliciou com o mais perfumado licor e em teus olhos eu vi as chamas escarlates que acenderam minha presente existência.   A
Postagens recentes

Sobre pássaros e relações

Há pássaros de diversos portes, proporções, cantos e cores. Há pássaros mais dóceis à convivência humana, outros mais restritos. Claro, não é culpa deles, é instintivo e varia de espécie para espécie. Há humanos de diversos portes, proporções, tons e cores. Há humanos mais dóceis à convivência social, outros mais restritos. Claro, não é culpa deles, é instintivo e varia de contexto para contexto. As relações entre humanos não se dão na fluidez que a natureza propõe às outras espécies do planeta, ao menos quando estas não estão em ambientes dominados (e provavelmente destruídos) pelo homo sapiens. No jogo de analogias e amálgamas de ideias, proponho uma breve resenha sobre relações saudáveis.   Quando pensamos em relacionamentos saudáveis, em qualquer espectro de relacionamento, quais características comumente encontramos nas mais perenes e positivas? Eu tenho minha lista e nela não constam jaulas, algemas, prisões, pressões, demandas draconianas, ameaças, mordaças, enfim, p

90 Dias

Se há algo que o ser humano não gosta de lidar, em geral, é com mudanças de hábitos, alteração profunda de contextos, fazer revisão de rotinas, coisas desse tipo. Não, jovem padawan, eu não estou falando da cooptação do tempo livre do trabalhador através de um produto chamado turismo. Quando eu falo de mudanças, falo de mudanças perenes, destas que efetivamente causam mudanças em longo prazo. Mudanças como organizar o sono, correção de dietas alimentares, manutenção da organização doméstica, ponderação do consumo de açucares e bebidas alcoólicas (que são basicamente a mesma coisa), etc. Estas mudanças, quando perenes, provocam efeitos, colaterais ou não, que, em regra, podemos classificar como positivos. É aí que entra o título deste texto: 90 dias.   Ali pra meados do mês agosto, do ano de 2021, me bateu certo um pico de cansaço de algumas coisas na minha vida. Até aí, nada novo sob o sol.  Se tem algo normal na minha vida é eu me cansar dela. Porém, ao listar os prováveis problemas q

O colapso da militância está se desenhando

  Uma das premissas básicas de qualquer movimento social relevante é a quantidade de pessoas impactadas e engajadas neste movimento.  Todas as revoluções políticas ou culturais podem atingir diversos resultados, que de forma simples gostaria de listar. As passageiras foram aquelas cuja proposta parecia genuína, porém, após o caos necessário, mostrou-se pior que o que havia antes. Há as que atingem parcialmente sua meta revolucionária, alcançando apenas parte das mudanças propostas. Perde-se a revolução mas ganha-se mudanças. É o famoso "um passo de cada vez". Por fim, há revoluções que alcançam o resultado esperado e se fazem perenes as novas propostas. São raras, porém, quando ocorrem, todos se perguntam após alguns anos o porquê de não terem feito isso antes. Enfim, uma coisa é fato: toda revolução, para ter engajamento de um povo, precisa começar na base, precisa atingir a massa, precisa fazer sentido, precisa propor mudanças que ofereça melhor vida para todos, principalme

After Life, porém vivo.

Olá!  Eu sou o Patux e hoje é dia 24 do mês de junho do ano de  2020 da era comum. O mundo está imerso em diversos problemas. De repente veio uma pandemia, a Covid19, o histórico "coronga vairus". É, brasileiro faz isso, piada com tudo. Temos também uma ótima piada na presidência do país nesse momento. Outra piada de péssimo gosto que temos, há alguns séculos, é o racismo, o machismo e, se não bastasse, a homofobia. Todos matando inúmeros seres humanos por eles, simplesmente, serem quem são. Contudo, todavia, entretanto, mazelas demais nunca bastam. O ser humano, a humanidade, é perita em criar mais e mais. Impossível listar todas. É neste 2020 que encontrei uma série, disponível num serviço de streaming de vídeos (séries, filmes, documentários, etc) chamada Netflix, chamada "After Life". Não, não terminei de assistir todos os episódios ainda. Talvez eu nem termine. Sou particularmente muito bom em não terminar certo as coisas que começo. Assistir séries é só uma de

Derretendo Satélites

Olá querenteners!! Tirando o caos, mé ki cêis tão!? Então, estava eu, devaneando internet afora e me deparei com um vídeo no instagram duma amiga, feito por ela, tocando um trecho de Derretendo Satélites, da Paula Toller (Kid Abelha) e Hebert Vianna (Paralamas do Sucesso). Tô lá, vendo o vídeo da Luísa (@luisagardezim), toda linda, cantando e tocando seu violão, quando me deparo com a letra da música. Fui lá googlar atrás da letra completa... foi eita atrás de vish seguido de "mas GENTE!!!" kkkkkk... Fui lá, me deliciando com cada frase, trecho e analogias da música, até que descobri que não consegui traduzir uma última referência: "derretendo satélites". Sim, exatamente o nome da música foi a única referência, da música todinha, que eu não pesquei. Pesquisei e nada. Nadinha. Nem uma dicazinha!! Alguém pode me ajudar? Que car*lhos voadores quer dizer essa frase ("derretendo satélites") nessa música?

2020

Olá seus lindos!!! Dizem que 2020 começou... Hoje é dia 16/02/2020... É, pareeeeece que começou mesmo. Vocês fazem METAS todo início de ano? Eu confesso que SEMPRE faço, NUNCA cumpro. Ano passado eu prometi pelo menos umas 10 coisas, ali beirando o "reveião". Quais eram? Não faço a menor ideia, mas provavelmente não cumpri nenhuma. É... acontece... Então... 2020, né? Ano novo, metas foram feitas. TUDO NOVO!!! E eu?? Estou cumprindo um total de 0% do planejado. O melhor e pior é que sei exatamente o motivo disso: eu sou PhD em procrastinação. Sério, eu sou perito sênior nisso. Resultado? Vish... lá vamos nós! Ler um livro e meio por mês. Não terminei nem o primeiro ainda. Dar andamento no meu podcast pessoal. Necas! Tocar 30 minutos de violão por dia. Nadinha! Estudar inglês/espanhol, 20 minutos/dia. Xiii... Estabilidade emocional em relacionamentos. KKKKKKKK!!! (melhor piada!) Não procriar. Não morrer. Não matar. É, falemos disso outra hora. De todas a met

Me perdoe

Estou sob tortura fazem alguns dias. Como em quase todas as outras vezes, sou eu sendo torturado por mim mesmo, por meus pensamentos, minhas revisões de valores, conceitos. Normalmente em torturas confessamos até o que não fizemos pra nos livrarmos da dor, porém neste caso é diferente. Neste caso o resultado é um quebranto emocional, seguido de revisão moral, concluindo na prática de novas atitudes. ( olá 1984! ) Hoje eu decidi pedir perdão. Perdão por ter um discurso machista por tanto tempo. Perdão por ter sido preconceituoso, . Perdão por já ter refletido o racismo estrutural, disso tenho muita vergonha. Perdão por ter sido condescendente com os absurdos de alguns amigos, ter me silenciado. Perdão por não saber controlar meus instintos mais primitivos diversas vezes. Perdão por diante de uma suposta inteligência, não ter sido sábio tantas vezes. Tudo isso é passado, aprendizado, mas sei que doeu e às vezes ainda dói. Claro, óbvio, doeu mais em você do que em mim, por is

13 dias de Teodoro

Há 17 dias estou em férias. Voltaria a trabalhar 2ª feira, dia 17. Mas...😔 Quando eu entrei de férias, eu tinha uma ex-esposa internada, grávida de um filho meu, aliás, nosso. Ela havia brigado comigo, até aí tudo normal. De lá para cá meu mundo simplesmente mudou de uma forma que jamais será o mesmo. "Houston, we have a problem." Teodoro esteve em meus braços por 13 dias. Foi a experiência de vida mais intensa que eu já vivi. Eu nunca pensei que ser pai iria doer tanto. Ele cumpriu uma jornada relâmpago e ninguém se preparou para isso, mas isso é problema meu, não dele. Respire, pai... respire. Ele foi maravilhoso enquanto esteve aqui, nos meus braços, deixando o choro quando eu tirava ele do berço da UTI e ficava com ele no colo. Aqueles olhos azuis escuros e profundos, conhecendo o pai, conhecendo o mundo, se acalmavam de forma tão gratuita quando eu oferecia apenas um colo, um cantarolar de "Como é grande o meu amor por você". Respire, pai... respi

Menos, bem menos…

Menos, bem menos… Quero ter menos. Obter menos. Consumir menos. Quero ser menor. Não há mais força para crescer. Quero sentir menos. Não há mais dor que eu suporte. Quero pensar menos. Há mais perguntas que respostas. Tudo é concreto e complexo demais para mim. Quero custar menos. Não tenho condições de suportar o desperdício de energia humana que eu sou. Quero ser menos visto. Quero desaparecer. Me tornar invisível. Esquecido. Encolher até inexistir.