Pular para o conteúdo principal

Hand grip


Todas as pessoas são diferentes entre si. Ninguém é igual a ninguém. Não bastasse isso para tornar a vida complexa (e interessante), há outra informação: (em regra) ninguém é hoje o mesmo que foi ontem.

O Tio Patux de hoje é um Tio Patux vivendo uma multidão de processos psico e fisiológicos em um ritmo frenético como poucas vezes viveu. Algo como aquele turbilhão pelo qual normalmente passam TODOS os adolescentes. Não, eu não estou vivendo este MESMO turbilhão... Ainda bem, inclusive.

Estou vivendo outros turbilhões, mas dois se destacam. Hoje vou tratar só de um. Do outro falarei no próximo texto. Não “sejemos” ansiosos.

Turbilhão de hoje: estou tentando parar de fumar. Sim, pela enésima vez! Desta vez decidi apostar em um combo turbo-plus-pancadão-cadenciado: retomando as atividades físicas moderadas, alterando meus hábitos alimentares, alterando meu consumo de redes sociais (sim, o termo é este mesmo: consumo), refazendo os planos mais individuais e íntimos para o ano porvir, perdoando coisas que nunca perdoei e lidando com coisas que nunca lidei.

Fato é que aquele ser que eu fui ontem não é o ser que eu sou hoje. Se hoje tenho mais repertório para produzir minhas escolhas e decisões, é verdade também que sou um homem MUITO mais cansado, com menos paciência para algumas coisas, sendo indiferente com outras, mas também vivendo intensamente outras que outrora relevei.

Nisto de tentar parar de fumar, novamente, aceitei que vai doer. Mudar dói. Mais ainda mudar algo que faz parte do cotidiano tanto quanto comer/dormir/respirar. Porém necessário. Meu corpo já deu o aviso, inúmeros.

A última “novidade” foi incluir o “hand grip” na minha rotina. Fumar, tanto quanto toda a questão química, é tão quanto uma questão de hábito. Esse bichinho aí está me ajudando em algo simples: ocupar minha mão. Eu tenho extrema dificuldade em ficar com a mão desocupada enquanto estou apenas assistindo um filme, série, youtube ou ouvindo podcast ou música, sentado na poltrona. O incômodo que sinto é assustador.

O que me levou a me perguntar: será que vou conseguir encontrar outros hand grips para ajudar na solução dos outros problemas?

Postagens mais visitadas deste blog

Derretendo Satélites

Olá querenteners!! Tirando o caos, mé ki cêis tão!? Então, estava eu, devaneando internet afora e me deparei com um vídeo no instagram duma amiga, feito por ela, tocando um trecho de Derretendo Satélites, da Paula Toller (Kid Abelha) e Hebert Vianna (Paralamas do Sucesso). Tô lá, vendo o vídeo da Luísa (@luisagardezim), toda linda, cantando e tocando seu violão, quando me deparo com a letra da música. Fui lá googlar atrás da letra completa... foi eita atrás de vish seguido de "mas GENTE!!!" kkkkkk... Fui lá, me deliciando com cada frase, trecho e analogias da música, até que descobri que não consegui traduzir uma última referência: "derretendo satélites". Sim, exatamente o nome da música foi a única referência, da música todinha, que eu não pesquei. Pesquisei e nada. Nadinha. Nem uma dicazinha!! Alguém pode me ajudar? Que car*lhos voadores quer dizer essa frase ("derretendo satélites") nessa música?

Conjugando a noite (poema)

Comendo, bebendo, falando, Beijando, transando, fudendo, Vendo, rindo, ouvindo,  Olhando, respirando, dormindo... Era tudo muito bom, Em tudo havia paz, Este deve ser o tom, Vida boa assim se faz. Disso ainda quero mais, Consumidor contumaz, Porto um apetite voraz. Então eu ouso repetir, Estou aqui, pode vir, Meu prazer é te servir, Teu prazer faz-me ebulir.

Too fucked to be something

See my pain, look yourself in the mirror, See my happiness, look this terror tale,  You was, you are, will you be?  My tear, my smile, my breath and my death.  They don't see the real me, but, sometimes, I really don't know who I am either.  Too busy.  Too hasty.  Too fucked. (sei lá o porquê de eu ter escrito em inglês, mas foi como minha mente dodói cuspiu, eu só digitei depois)