Pular para o conteúdo principal

90 Dias

Se há algo que o ser humano não gosta de lidar, em geral, é com mudanças de hábitos, alteração profunda de contextos, fazer revisão de rotinas, coisas desse tipo.

Não, jovem padawan, eu não estou falando da cooptação do tempo livre do trabalhador através de um produto chamado turismo. Quando eu falo de mudanças, falo de mudanças perenes, destas que efetivamente causam mudanças em longo prazo.

Mudanças como organizar o sono, correção de dietas alimentares, manutenção da organização doméstica, ponderação do consumo de açucares e bebidas alcoólicas (que são basicamente a mesma coisa), etc.

Estas mudanças, quando perenes, provocam efeitos, colaterais ou não, que, em regra, podemos classificar como positivos. É aí que entra o título deste texto: 90 dias.

 

Ali pra meados do mês agosto, do ano de 2021, me bateu certo um pico de cansaço de algumas coisas na minha vida. Até aí, nada novo sob o sol.  Se tem algo normal na minha vida é eu me cansar dela. Porém, ao listar os prováveis problemas que eu precisava resolver com mais urgência, me deparei com a ironicamente triste realidade de que eu precisava rever meus hábitos, rotinas, costumes e afins.

Cito alguns exemplos como me libertar das redes sociais (principalmente as duas mais tóxicas: aquela azul das fake news, lar de idosos; e a das fotos de vidas que nunca foram vividas e causam inúmeros danos psicológicos já estudados), parar de fumar, ponderar o consumo de bebida alcoólica, retomar a prática de atividades físicas, corrigir a rotina de sono, enfim, estava tudo muito, muito bagunçado. Então, do nada, aceitei, entendi e tracei o processo. “E lá vamos nós...”

 

Agora, final de dezembro de 2020b, completo três meses efetivos neste processo de mudanças. No fundo, a chave disso é entender que é um processo, uma jornada (oi, Lumena!) com passos, tropeços, saltos, é cair e se erguer novamente.

Longe de mim virar um evangelizador da vida fit, não tenho nada contra, tenho até amigos que são (rs... não, num tenho não... mas a piada veio quicando).

Descobri desafios que eu, até então, não me dava conta que seriam tão grandes. Também descobri que coisas que eu imaginava que morreria sem, vivo tranquilamente sem (ou com bem pouco), hoje.

Quem me conhece pré-agosto 2021 sabe do meu vício em cafeína. Era coisa de 1 litro por dia de café. UM FU-CKING LITRO! Agora, quando muito, é uma xícara pela manhã e só. Nunca tive crise de abstinência ou similar e, isso sim, foi uma surpresa.

Café, cigarro, cerveja, insônia infinita, dieta zoneada, sedentarismo. O processo é embaçado, tio!

 

Enfim, “um dia de cada vez” ou “só por hoje”. Esse é o rolê.

Espero poder voltar pra contar sobre cada faceta deste processo de mudança.

Agora tenho tempo... mas depois explico isso.

Postagens mais visitadas deste blog

Derretendo Satélites

Olá querenteners!! Tirando o caos, mé ki cêis tão!? Então, estava eu, devaneando internet afora e me deparei com um vídeo no instagram duma amiga, feito por ela, tocando um trecho de Derretendo Satélites, da Paula Toller (Kid Abelha) e Hebert Vianna (Paralamas do Sucesso). Tô lá, vendo o vídeo da Luísa (@luisagardezim), toda linda, cantando e tocando seu violão, quando me deparo com a letra da música. Fui lá googlar atrás da letra completa... foi eita atrás de vish seguido de "mas GENTE!!!" kkkkkk... Fui lá, me deliciando com cada frase, trecho e analogias da música, até que descobri que não consegui traduzir uma última referência: "derretendo satélites". Sim, exatamente o nome da música foi a única referência, da música todinha, que eu não pesquei. Pesquisei e nada. Nadinha. Nem uma dicazinha!! Alguém pode me ajudar? Que car*lhos voadores quer dizer essa frase ("derretendo satélites") nessa música?

Tá tudo perfeito, mesmo quando não parece

Ouvi uma frase maravilhosa num filme que assisti recentemente (lindo, leve e que trouxe ninjas cortadores de cebolas em momentos bastante inesperados... daí serem ninjas, né, Patux!): "There may be something wrong with you, but you're perfect." [Talvez haja alguma coisa errada com você, mas você é perfeita.] ( Kevin, seu lindo! ) Quando o jovem soltou esta frase, eu quase dei uma pirueta no sofá em êxtase. Esta frase simplesmente define TUDO que se há pra dizer para alguém que você admira, dedica afeto, pra uma pessoa que você olha com carinho, mesmo ciente de que, como QUALQUER ser humanos, aquela pessoa possui fraquezas, ela erra, ela tropeça, ela tem dias difíceis. Sabe por que? Porque TODO mundo é assim. O que difere as pessoas que possuem/cativam seu amor/afeto das que não possuem são exatamente quais características delas possuem afinidades com suas demandas. Qualidade? Defeito? Isso é só o adjetivo que damos às características. Porque, no fim, é isso. Característic

Too fucked to be something

See my pain, look yourself in the mirror, See my happiness, look this terror tale,  You was, you are, will you be?  My tear, my smile, my breath and my death.  They don't see the real me, but, sometimes, I really don't know who I am either.  Too busy.  Too hasty.  Too fucked. (sei lá o porquê de eu ter escrito em inglês, mas foi como minha mente dodói cuspiu, eu só digitei depois)