segunda-feira, 12 de maio de 2014

Comentando: "Clubes de compras: entre o legal e o legítimo"

OBS: este texto nasceu como um curto comentário numa postagem de um amigo (@Wag, do blablaismo.com.br) no Fb. Percebi que ia ia ficar muito grande o comentário e decididi que faria uma postagem lá na rede do Markinho. Desisti e vim postar aqui. Leiam, façam a digestão da informação e, antes de tacar pedras em MIM, apenas opinem. Mais importante do que me atacar é você opinar. Se sua opinião tiver um pingo de argumento, é capaz que ajude o debate. Se você escolher apenas atacar de quem você discorda, então não ajudará à ninguém.


http://esportefino.cartacapital.com.br/playstation-clubes-de-compras/

Após ler o artigo do link acima, eis meu comentário direto,
sem tempo pra pesquisas extensas, etc...

PAUTA

Eu continuo batendo na mesma tecla: são jogos, apenas jogos, e, assim como filmes e séries, são desnecessários.

Tanto jogos, quanto HQs, quanto filmes ou séries, minha opinião é a mesma: se ninguém (empresa) trouxe pro Brasil, é porque não se interessam pelo nosso mercado, então é cada um por si.

Se alguém trouxe pra cá, por mais caro que seja, sou contra pirataria ou esquemas.

Casos, na TV, como 24 horas, A Game of Thrones, e até a reta final de Breaking Bad são exemplos claros de que, quando querem, as empresas trabalham direitinho no mercado brasileiro.

Mesma coisa ocorreu há algum tempo com jogos a pressos acessíveis na Steam e no, brasileiro, Nuuvem.

É caro? É.
Você precisa? Não.

Ninguém precisa. Fato.

TV FECHADA

Pode parecer estranho, mas complemento este pequeno desabafo sobre o assunto com a seguinte opinião: se você PAGA pelo canal de TV fechada "x" e a porcaria da sua operadora usa um aparelho que te impede de gravar o programa direto pela TV (como a gente fazia antigamente com os videos cassetes) o a PORCARIA da Samsung simplesmente não permite gravação de conteúdo da porta HDMI (aliás, parabéns, sua biscate sul-coreanazinha filha-duma-égua!!), então EU me sinto autorizado a recorrer a outros meios para obter o conteúdo produzido pelo canal de TV pelo qual eu (ou você) já pagou.

Se a turma da TV Fechada fosse um pouquinho mais inteligente, ligeiramente mais esperta, disponibilizava o material via web, no mesmo formato (HD ou Full HD) que é oferecido na televisão, com valor de assinatura reduzido e pimba. Mas não, querem morrer abraçados com as operadoras de TV Fechada.

Será que os fenômenos da indústria fonográfica com Spotify, Deezer e Rdio (só pra citar alguns) não foram o bastante para vocês (produtoras de conteúdo para TV Fechada) começarem a repensar a situação?????
Assim será...

GAMES

Ops... pera... o artigo era sobre games, SONY e PlayStation, né? Minha opinião sobre o tal esquema?? Sou contra. Só tenho UM video-game em casa, que quase não jogo porque não estou disposto a gastar RIOS de dinheiro em mais jogos. Foi, muito possivelmente, o último video-game que compro com meu suado salário. Livros são muito mais baratos, filmes e séries no Netflix são absurdamente mais baratos, ouvir músicas no Deezer/Rdio/Spotify é mais barato. Sério, games, hoje, fora alguns na Steam, é um dos mais caros passatempos que você pode ter (caso seja honesto, claro!).

É isso. Por enquanto, é isso.

terça-feira, 6 de maio de 2014

Não deixe o blog morrer, não deixe o blog acabar...

Maio de 2014 chegou e com ele veio a reta final do "quadrimestre" da faculdade (já que semestre, até segunda ordem, tem SEIS meses e nenhuma faculdade usa mais do que 140 dias de aula por semestre... que tem 180 dias... enfim...).

Veio também o clímax da minha agenda social, até agora, em 2014.

Veio também a aula de violão, semanal.

Vieram um montão de coisas que, no fim das contas, seja pela correria, seja pela distração, não me inspirei a redigir nada por aqui, mas o blog não morreu.

Not yet!!

Obs: e eu continuo errando o uso da crase...