sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Um sonho e um debate - Parte 1 - O sonho

Não sou muito de relatar meus sonhos, destes que temos quando estamos dormindo mesmo. A verdade é que a maioria eu nem lembro. Dos que me lembro, não poderia contar a maioria, mas este me deixou encasquetado. Nem tanto pelo tema, mas pelo conjunto da obra: sonho, tema e como acordei.
Como é o relato de um sonho, alguns intervalos somem, vocês sabem. São os famosos apaga/volta, desliga/liga.

O sonho começou comigo conversando com uma mulher. No sonho eu parecia conhecer ela, agora, enquanto escrevo, não faço ideia de quem seja. Estávamos conversando amenidades sobre a vida... 

(desliga/liga)

Aparecemos num dos locais mais hostis já criados pela humanidade: estávamos dentro de uma igreja.

Era um culto até, aparentemente, tranquilo. Mais para uma palestra do que para um destes shows em que falam mais do capiroto do que de deus e caráter (aliás, alguma igreja ainda fala em moral e caráter??).

Eu não sei bem o porque, o motivo, razão ou circunstância, mas o pastor falava algo do tipo "se você está procurando o seu futuro esposo ou esposa, venha até aqui e vamos orar por vocês, mas não se esqueçam de que apenas orar não irá resolver, precisam agir", e de uma forma que eu não sei detalhar, mas o RARO pastor começou a listar diversos comportamentos realmente adequados para quem procura um companheiro de forma criteriosa e minimamente inteligente. É SÉRIO, eu fiquei pasmo com o quão educativo, pedagógico, aquele pastor estava sendo. Eu só sei que era pastor porque eu conheço ele, senão teria certeza de que era um infiltrado.

(desliga/liga)

De repente o assunto mudou, mudou o homem ao microfone e mudou o tom da palestra/pregação.

De repente a conversa era sobre família, casal, as ameaças, quando me deparo com a frase deste infeliz, tão distinto do primeiro pastor: "e tomem cuidado, minhas irmãs, com seus maridos e filhos!! O Vírus Boiola está se espalhando por todo lado". E muitos riram...

Aquilo me feriu...

Por pelo menos uma dezena de razões, aquela frase me feriu. Me lembro de, no sonho, ainda sentado, ter começado a chorar. Chorava muito. Então uma e outra pessoa, da igreja, me perguntavam porque tanto choro e eu só conseguia responder: "este homem é louco, ele não tem noção do que está fazendo".

[[eu ainda volto aqui para explicar, item a item, o motivo de chamar este energúmeno de louco]]

(desliga/liga)

Apareço chegando ao trabalho, cumprimento um e outro colega. Chego ao computador onde eu iria bater ponto e encontro dois colegas, um rapaz e uma moça, amigos meus, e lanço a pergunta: já pararam para pensar no quanto este mundo seria melhor se a religião fosse menos babaca com a sexualidade das pessoas?

Olharam para mim, olharam para o chão, a moça voltou a levantar o rosto, olhou nos meus olhos e disse: seria esperar demais da religião, não acha?



2014 na Terra Brasilis [parte 01]

Opa!! Bão??

Eu poderia estar melhor, mas não estou mal não. Mal mesmo foi o começo de 2014 para nossa terrinha, este tal de Brasil.

Claro que muita coisa boa aconteceu por aí, mas é impressionante como Janeiro nem terminou e a turma, que é um pouquinho mais antenada, já consegue apresentar uma lista grande de eventos e fenômenos que bem exemplificam como o ano brazuca começou com o pé esquerdo... e não tende a melhorar muito não.

Lembram do que aconteceu num estádio de Joinville, sul do país, no último jogo do Campeonato Brasileiro de Futebol, Série A (ou 1ª Divisão)?? Não morreu gente ali por misericórdia da vida, mas bem que aqueles marginais tentaram. Bom, não sei se por inveja ou se por insuficiência cerebral, em terras nordestinas começou a Lampions League, ou Copa do Nordeste. Fato é que mal a coisa começou e já tivemos violência desregrada entre torcidas vândalos disfarçados de torcedores.

A Copa, ou melhor, os preparativos para a Copa do Mundo da FIFA (é da FIFA mesmo, não se iludam!) 2014 Brasil continua de vento em polpa. Obras cada dia mais atrasadas e superfaturadas. Licitações pra lá de estranhas. Condição de trabalho medonhas. Fora a lista com centenas de "legados da Copa", que envolviam melhoria nas condições de vida dos babacas cidadãos brasileiros, tais como metrô, ampliação de aeroportos, etc. Pois então, esqueçam. Então, com tudo isto, os governos locais (das sedes da Copa) encontraram uma solução fantástica: se tem jogo na cidade, é feriado!! Pronto.
Eu já deixo minha sugestão: que tal ampliar isto pro resto da vida?

Enfim, nos próximos dias continuarei listando razões para você, tal como eu, perceber que sua vida na Terra Brasilis pode ser/estar/ficar bem melhor do que você imagina, ou bem pior do que acredita.

Copo meio cheio ou meio vazio?


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

HomeoPATUX - Inexplicável Inexorável - S01E01




Olá,

Seja bem vindo ao HomeoPATUX, sua dose suave e inútil de cultura e opinião.

Na edição de hoje teremos uma breve aula de português.

  • Inexplicável
  • Inexorável

Agora é sua vez, aí nos comentários. 
Fique à vontade.


//

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Feliz Ano Novo... ou algo mais ou menos assim

Então, lá fora, estouram os fogos de artifício, era Réveillon, a tal celebração do novo ano que começava, conforme dizia o calendário em sua mesa, ao lado modem.

Naquele momento em que ele queria dizer coisas que, se ditas, lhe trariam alívio, mas destruiriam lembranças de algumas pessoas e, provavelmente, o futuro de outras.

Escreveu tudo, em correta ortografia e gramática, com boas pitadas de ironia e sarcasmo, sutis o bastante pra confundir o leitor desavisado.

Então lembrou de sua missão na Terra, respirou fundo, aceitou o fardo que ele mesmo escolheu (ciente do quão errada e imatura fora aquela escolha), respirou lenta e pesadamente mais uma vez, apagou o texto inteiro e retornou à leitura do livro que minutos atrás tinha em mãos.

É uma boa, estranha e solitária forma de se começar um ano.

Não era a primeira vez.
Não seria a última.

Enfim, do texto todo, só não apagou a última frase:

"Feliz Ano Novo... ou algo mais ou menos assim"