quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Príncipes e princesas: fadados ao fracasso

Me perdoem os românticos apaixonados, mas esta mania de algumas pessoas quererem viver contos de fadas é o fim da picada.

Existe uma coisa chamada PAIXÃO. É um veneno. Ela deturpa a percepção da realidade, diminui a capacidade de sensatez, altera o humor, alimenta expectativas, não agrega nem um pingo dágua de benefícios e coisas boas à um relacionamento entre seres humanos adultos saudáveis.

Alguns dirão que amam estar apaixonados. Eu respeito. Tem gente que come cocô e gosta. Eu também respeito eles.

"Sem paixão, a vida não tem graca." alguém dirá. Ah, por estes eu irei sempre ter um pouco de piedade. A visão da vida sem a página 2, sem consequências, a vida que termina no "e viveram felizes para sempre", mas a vida, meu jovem gafanhoto, não termina ali. A vida segue.

As pessoas esqueceram o prazer da vida simples. Se deslumbram com a vida do "1% mais rico no mundo" e se esquecem que eles correspondem à... 1% do mundo!!!
Que custo foi pago para eles estarem lá? Quantos, com injustiças calculadas, não pagaram com suas vidas para ser mantido o luxo deste 1%?

Calma, não se irrite. Estou misturando dois assuntos para tentar demonstrar o quão insanas estas duas coisas são. Pior. O quanto andam, hoje, juntas uma à outra.

Povo quer ser rico e ponto, não importa como, não importa quem sofra para isto acontecer.
Povo quer paixão, loucuras, contos de fadas com príncipes e princesas, não se importando com o fato de que contos de fada simplesmente não existem no mundo real dos adultos saudáveis.

Ok. Queiram isto. Só não queiram que eu aprove isto. Nem concorde. No máximo, terão de mim algo próximo de tolerância.

O custo pago, pelo mundo, pela humanidade, por causa das paixões e altos-luxos alheios é tão alto e tão insano que é impossível que eu concorde com isto. Que eu aprove isto.